Blog

Criação de Sites: a importância da Arquitetura da Informação em um website

Quando nos propomos a trabalhar na criação de um site, o nosso foco deve ser para que os usuários desfrutem de seu conteúdo de maneira fácil e intuitiva. Para atingir esse objetivo, será necessário que o visitante encontre o que procura sem precisar de um manual de instruções ou ser um detetive.

Exageros à parte, a experiência de entrar em um site e ficar perdido é frustrante para o usuário, e com quantidade de páginas que temos na internet, oferecendo o mesmo conteúdo ou produto, não se preocupar com esse detalhe é jogar a favor da concorrência.

É para facilitar a vida desse usuário que se faz necessário a otimização da arquitetura da informação de um site e é sobre isso que falaremos neste post.

Aproveite!

O que é Arquitetura de Informação?

De forma geral, a arquitetura de informação, conforme a definição criada originalmente por Wurman, trata da organização das informações de forma que elas se tornem claras e de fácil acesso.

Na web, o foco está em criar as estruturas de organização da informação de um site para que o usuário consiga compreendê-lo com facilidade. A arquitetura de informação cuida de projetar a estrutura de um website sobre o qual todas as demais partes irão se apoiar.

Segundo Dijck (2003), “O principal trabalho de um arquiteto de informação é organizar a informação de um website para que seus usuários possam encontrar coisas e alcançar seus objetivos.” Toub (2000) reforça: “Arquitetura de informação é a arte e a ciência de estruturar e organizar ambientes de informação para ajudar as pessoas a satisfazerem suas necessidades de informação de forma efetiva.”.

Ela é caracterizada pelo design estrutural de ambientes de informação compartilhada. É a arte de organização e rotulação de sites, intranets, comunidades online e software de apoio à encontrabilidade e usabilidade. Para entendermos melhor o conceito, vamos começar pela primeira palavra, a arquitetura, e para isso, vamos sair um pouco do mundo virtual e para exemplificar esse termo na sua forma mais tradicional.

O arquiteto é um grande organizador

O profissional de arquitetura organiza o espaço, prevê os fluxos de pessoas, de veículos etc. Ele vê o futuro na hora de pensar a fundação, considerando a possibilidade de expansão, planeja o cronograma da obra e coordena equipes multidisciplinares.

Ele questiona o entorno para entender a inserção de sua intervenção – seja uma casa, um prédio, uma praça, uma reforma urbana – no contexto em que será realizada, é responsável pela sinalização do equipamento urbano e assim por diante.

O projeto de um edifício ou um equipamento urbano tem que ser, tal como um projeto de site ou portal, centrado no usuário, coisa que muitos arquitetos acabam por vezes esquecendo — assim como muitos designers e programadores —, tendendo ora para o excessivamente lúdico, ora para a solução técnica mais óbvia.

A quantidade e a diversidade de informação não constituem desafio maior que a quantidade e a diversidade de pessoas que transitam em um núcleo urbano ou em um edifício, praça ou outro mobiliário da cidade.

A arquitetura deve focar a usabilidade

Fazer uma leitura adequada dos fluxos de pessoas, percebendo as diferentes formas de entender uma sinalização, o entorno, a pressa, a formação acadêmica, os diferentes contextos culturais, não é um desafio maior que o de mapear e modelar os fluxos de informação do portal de uma grande organização.

Os arquitetos criam modelos com vistas a projetar edifícios ou outras estruturas para servir às necessidades das pessoas e, ao mesmo tempo serem belas. Arquitetos de informação, do mesmo modo, determinam as necessidades de uso da informação e modelam os caminhos que levam à informação desejada, além de criarem interfaces atrativas para apresentar os conteúdos.

Bons arquitetos projetam espaços físicos que levam em conta as pessoas com deficiência (rampas, elevadores, pisos táteis, sinalização em Braille etc). Bons arquitetos de informação pensam e formas de tornar os sites que projetam acessíveis a todas as pessoas.

Como otimizar a arquitetura da informação do meu site?

A arquitetura da informação para a web abrange técnicas e análises muito profundas e específicas, não conseguiríamos abordá-las apenas com um blog post. Porém, conhecer os passos principais será de grande utilidade, para que você possa a colocar a mão na massa e traçar as suas primeiras estratégias.

Para te ajudar, listamos abaixo 5 dicas essenciais para otimizar a arquitetura da informação de seu site e melhorar a experiência dos usuários.

1. Identifique a sua persona

Toda vez que você produz algum conteúdo deve ter em mente uma persona — um perfil semifictício que representa o usuário habitual de seu site ou um cliente. Se você já tem um site com visitantes regulares, tem em mãos um bom material para definir a sua persona. Caso não tenha, pesquise, utilize as redes sociais, analise a concorrência e estude sobre personas.

Conhecer a persona é essencial para a arquitetura da informação, pois toda a estratégia deverá ser montada baseado na linguagem, hábitos, objetivos e problemas que ela enfrenta.

O menu do site, por exemplo, deve ser o mais claro possível para que o visitante entenda as informações rapidamente. Cada palavra do seu menu deve ter um significado prático para a persona.

2. Crie um mapa do site

Organizar as informações de forma hierárquica é essencial para que os visitantes possam”caminhar” de maneira intuitiva e fluida pelos conteúdos de seu site.

Quando você entre em um site de vídeos como o Netflix, por exemplo, e quer achar um filme de terror. Você intuitivamente clica no menu filmes, depois em gênero e, por fim, em terror. O mesmo vale para quando você compra um Blu-ray do mesmo filme em uma loja física, você busca uma ordem hierárquica das informações.

As pessoas sempre buscarão padrões hierárquicos quando procurarem algum conteúdo, e seu site precisa estar otimizado para isso.

Sendo assim, crie um mapa do seu site. Crie um um organograma e simule o caminho que o visitante faria em seu site desde o momento em que entrar, e se coloque como um guia que vai direcioná-lo para que ele não se perca no caminho.

3. Crie wireframes

Os wireframes são esquemas gráficos que simularão a forma como o usuário visualizará as informações presentes nas interfaces das páginas de seu site. Isso permitirá que você esquematize a forma como os elementos se comportarão na tela.

Ao trabalhar com os wireframes na criação de seu site, você conseguirá definir qual é a melhor forma de apresentar os conteúdos e a hierarquia das páginas de forma visual, levando em conta o tamanho e estrutura da tela.

Você não precisa ser um expert em designer para esboçar um wireframe de seu site, pode fazer até mesmo com papel e caneta. O importante é o conceito, pois, mesmo que você não for desenvolver o site, o profissional responsável terá uma referência sobre a sua estratégia.

4. Pense em design responsivo

Não esqueça que você está em um país que existem mais smartphones ativos do que habitantes. É quase certo que o seu site tenha mais visitas provenientes de dispositivos móveis do que de desktops ou notebooks.

Além disso, desenvolver um site com foco em dispositivos móveis será um excelente exercício para todas as etapas anteriores. Você terá que otimizar as informações de seu site para uma tela bem menores, demandando mais organização, necessidade de uma hierarquia mais rígida e priorizações. Um excelente teste de simplificação!

Esperamos que após a leitura deste texto você tenha entendido a importância da arquitetura da informação na criação de sites e passe a adotá-la em seus projetos. Caso ainda não esteja preparado, procure um profissional ou uma agência especializada no assunto para te ajudar.

E aí, gostou do texto? Quer saber como otimizar a Arquitetura da Informação de seu site? Entre em contato conosco para mais informações.

Comente a matéria abaixo

Compartilhe esta notícia